Cash Monitor conquista Itália, França, EUA e Dubai

21 julho, 2017

Fundada em 2006 pelo administrador de empresas Wagner Furtado, 54 anos, a Cash Monitor oferece ao mercado um produto invisível à maioria das pessoas, mas fundamental para quem lida com comércio eletrônico. Seus sócios criaram um sistema de automação que permite a empresas de qualquer tamanho gerenciar todas as suas operações financeiras realizadas pela internet. A receptividade foi tamanha que, dois anos depois de aberto o negócio, Wagner convenceu o filho a deixar a tesouraria do Itaú BBA para tornar-se sócio. Formado em Engenharia Química e pós-graduado em Finanças pela Universidade de Nova York, Marcio Furtado, 26 anos, uniu-se ao pai e fez a Cash Monitor deslanchar de vez. “Em 2008, conquistamos os três primeiros grandes clientes: Webjet, Diagnósticos da América e Derivados do Brasil”, conta Marcio. Apesar de a sede ficar em São Paulo, a empresa mantém toda a sua infraestrutura tecnológica no estado americano de Virgínia. “Nosso software está na nuvem nos Estados Unidos, o que nos dá muita agilidade”, diz Marcio.

No final de 2010, a Cash Monitor apresentou seu produto em um fórum sobre soluções para operações com cartões de crédito na Colômbia. “Naquele momento, começou nosso processo de internacionalização”, diz Marcio. Em agosto de 2011, pai e filho colocaram o primeiro pé fora das fronteiras brasileiras, assinando contrato com a Alitalia. Na sequência, vieram outros quatro clientes gigantes: Air France, United Airlines, Continental e Emirates. E isso sem que os Furtado fizessem uma visita sequer ao exterior. “Demonstro o produto pela web, alinho os detalhes em conference calls e concretizo a venda em duas semanas, em média.” Por enquanto, 80% do faturamento da empresa — que foi de R$ 1,5 milhão em 2011 — ainda vem do mercado interno. Mas, em 2012, o número de clientes internacionais deve crescer, assim como o faturamento. “A nossa previsão é de uma receita de R$ 5 milhões no próximo ano”, diz Marcio.